O roteiro completo para ir até Ngog Ping e conhecer o Big Buddha em Hong Kong


Uma das coisas mais interessantes em Hong Kong é a diversidade dos passeios que a cidade oferece. Depois de passar pela parte moderna e curtir um show de luzes de arranha-céus, a ilha também tem, mesmo que em poucos lugares, uma experiência mais tradicional asiática. É hora de pegar um teleférico para Ngog Ping e conhecer o Big Buddha.

Big Buddha

A estátua do Big Buddha é um dos pontos turísticos mais visitados em Hong Kong (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)
Como chegar: Ngong Ping 360 Cable Car (Estação Tung Chung do Metrô)


Quanto Custa: de HK$ 185 a HK$ 255


Melhor Dia: Todos


Horário: 10h às 18h (Dias de semana) / 09h às 18h30 (Fim de semana)

Ngong Ping é um vilarejo incrustado em meio aos morros da Lantau Island, ilha que também abriga o International Airport. O vilarejo é cheio de lojas com bugigangas (que não pode faltar na Ásia), um Monastério com mais de 100 estátuas douradas do Buda e a atração principal, o Tian Tan Buddha, ou Big Buddha para os íntimos. 

Como Chegar

No metrô, você precisa descer em Tung Chung, a última estação da Disneyland Resort Line. Como expliquei no tópico transportes em Hong Kong, quanto mais longe a estação, mais cara fica a passagem. Prepare o bolso porque Tung Chung é bem longe mesmo.

Saindo de Central Station, a passagem do metrô sai em média HK$ 45 (ida e volta), então não esqueça de carregar seu Octoplus antes de ir. Depois de andar bastante no metrô, você vai perceber que a estação Tung Chung  te deixa dentro de um super Outlet com lojas de várias marcas. Aqui te trago dicas legais sobre ele.

Depois de comprar uma camisa de marca para fingir que é rico aqui no Brasil, vamos ao principal. Saindo do Outlet, siga as placas para chegar a Ngong Ping 360, o teleférico mais famoso por essas bandas (sim, a galera por aqui curte um teleférico, bondinho e afins).

Turistas esperam para entrar no Ngong Ping 360 (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

O Ngong Ping 360 é um teleférico que faz o percurso entre Hong Kong e o vilarejo de Ngong Ping. O passeio dura em torno de 30 minutos e é bem bonito (até mesmo quando você é esperto igual a mim e escolhe ir lá em um dia de chuva).

Você deve estar se perguntando o porquê do teleférico se chamar 360. A atração oferece dois tipos de cabine: a Standart Cabin (um teleférico normal) e a grande atração de lá, a Crystal Cabin, uma cabine feita totalmente de vidro, que, é claro, te dá uma visão 360 graus durante o passeio.

Agora, os preços: o Standart custa HK$ 185 (ida e volta) e a Crystal HK$ 255 (também ida e volta). Eles ainda te dão a opção de comprar a 1 + 1 Standart & Crystal Rond Trip, que custa HK$ 240, e na ida você vai de Standart e na volta de Crystal (ou vice-versa).

Nem a chuva atrapalha a bela vista no trajeto do Ngong Ping 360 (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Agora você me pergunta: vale a pena pagar mais caro pela Crystal? E eu respondo, como sempre: depende. Se você tem dinheiro sobrando e, é claro, não tem medo de altura, acho que vale. Se o orçamento está um pouco mais apertado, pode ir de Standart que você vai ter uma vista bem legal do mesmo jeito.

Vista de dentro da Standart Cabin (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

O Que Fazer

Vista de cima do simpático vilarejo de Ngong Ping (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Chegando a Ngong Ping, é hora de explorar o vilarejo, que tem mais de um hectare repleto de símbolos da tradição oriental.

Ngong Ping preserva a arquitetura tradicional chinesa (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Por aqui existem várias atrações, como lojas, restaurantes, e até um show multimídia chamado Walking with Buddha (HK$ 40 – dura 20 minutos), que conta a história de Siddhartha Gautama, o homem que virou Buda, e o caminho que ele percorreu. Tudo isso é legal, mas não obrigatório. Vá se você tiver tempo e dinheiro. O principal do vilarejo eu te conto agora.

O Big Buddha de Hong Kong é uma dos cinco maiores estátuas de Buda do mundo (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Desde a metade do caminho no Ngong Ping 360 você já vai conseguir enxergar a principal atração do vilarejo, o Tian Tan Buddha. A estátua feita de bronze, inaugurada em 1993, tem 34 metros de altura e pesa 250 toneladas. Dizem que em um dia claro você consegue enxergá-la em Macau, cidade ao lado de Hong Kong.

Na estátua ele está sentado em uma flor de lótus, cercada por outras seis estátuas menores, que representam monges levando oferendas. O local é considerado sagrado pelos budistas, portanto demonstre respeito.

Lembrando, que, enquanto cerca de mais de um bilhão de pessoas são budistas na Ásia, apenas 285 milhões são cristãos. Portanto, o Buda é o cara por lá. Enquanto estiver visitando templos e estátuas, procure seguir as regras (sempre bem explícitas em placas). Embora aqui essas regras não sejam tão rígidas quanto na Tailândia, é legal não falar muito alto e nem fazer piadas perto da estátua. Para chegar até lá, é só subir essa tranquila escada de 268 degraus.

Nada de rampas ou elevadores. É preciso enfrentar a escadaria para chegar perto do Big Buddha. (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Depois de passar mal no caminho e quase morrer de dor nas pernas (brincadeira, não é tão alto assim), a dica é relaxar. O local tem uma energia bem tranquila. Aproveite o tempo não só para tirar fotos, mas também para curtir um pouco o lugar.

Homem reza para o Buda em Ngong Ping (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Já teve o seu momento relax e quer conhecer mais? Então agora é hora de ir até o Pon Lin Monastery, um templo budista que fica bem ao lado do Big Buddha.

Fachada do Pon Lin Monastery, lugar sagrado para o budistas (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

O Templo foi construído em 1906 e abriga 100 estátuas douradas de Buda, que representam o passado, presente e as futuras vidas dele.

A sala com as 100 estátuas de Buda é toda decorada em ouro (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Depois de mais um pouco de paz interior (bem zen esse passeio, né), é hora de dar mais um rolê pelo vilarejo e ver coisas normais do dia-a-dia, como um touro pastando no meio das casas.

Touro pasta tranquilamente em Ngong Ping. Têm coisas que você só vê na Ásia. (Foto: Saulo Degrande/Andado Pelo Mundo)

Bom, hora de voltar para a estação do Ngong Ping 360 e pegar mais meia hora de teleférico de volta para Hong Kong.

As colunas do Pon Lin Monastery são esculpidas com figuras de dragões, símbolo da cultura chinesa (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

deu um rolê por lugares modernos, lugares tradicionais e muita paisagem bonita? Agora é hora de conhecer os parques temáticos de Hong Kong. Disney, aí vamos nós!


Booking.com
Booking.com