Uma mistura de Las Vegas, Portugal e China, Macau é um passeio imperdível na Ásia


Já imaginou juntar Las Vegas, Portugal e a China em um território de 28 km²? Pode parecer muito louco, mas isso já existe e está pertinho de Hong Kong. Conheça agora Macau, parada imperdível para quem está dando um rolê pela Ásia.

O dinheiro dos casinos está transformando Macau em uma cidade moderna (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Vou começar tentando explicar a salada que é Macau. A cidade tem uma história bem parecida com Hong Kong, mas com uma diferença básica.

Ao contrário dos vizinhos, que foram colonizados pelos ingleses, Macau foi povoada pelos nossos queridos amigos portugueses, que chegaram lá por volta de 1550, pouco tempo depois do descobrimento do Brasil. Os portugas foram aos poucos aumentando a influência na ilha com métodos parecidos com os usados no Brasil, como o uso de missionários católicos para implantar a religião deles aos asiáticos.

Durante um tempo o governo português pagou uma mensalidade aos chineses para usar Macau como um porto, até que em 1887 o local se transformou oficialmente em território de Portugal. Só em 1999 foi assinado um acordo que devolveu a região para a China.

Macau foi então transformada em Região Administrativa, ou seja, depende dos chineses na área de relações internacionais, mas tem bandeira, legislação e moeda própria.

Em 2002 uma lei liberou os jogos de azar na ilha. Como esse tipo de atividade é proibida na China, Macau passou a ser o único local da região a abrigar casinos. Isso, claro, trouxe uma grana gigantesca pra cidade.

Depois dessa lei, Macau começou a se desenvolver rapidamente e virou uma espécie de Las Vegas asiática, só que uma Las Vegas com uma cultura mista de Portugal e China. Louco não? Acho que já deu para entender porque a cidade é uma visita imperdível na Ásia.

O Largo do Senado é um dos pontos turísticos da cidade (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Essa mescla transformou Macau em um dos lugares mais legais para se visitar. Por lá você pode conhecer os casinos, incluindo o maior do mundo, dar um rolê por lugares históricos, como as ruínas de São Paulo, uma das únicas igrejas católicas históricas que você vai encontrar por esses lados, além de provar o melhor da culinária portuguesa.

O Pastel de Belém está presente em praticamente todas as padarias de Macau (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)
Por aqui é facinho entender o que está escrito nas placas (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Depois de ler tudo isso, você já deve estar todo feliz. Finalmente um lugar na Ásia que vou poder me comunicar com tranquilidade, falando a tão querida língua portuguesa. Chega de mímica para conseguir pedir um Big Mac.

Bom, sinto decepcionar, mas não é bem assim. Como podemos ver na foto acima, a língua portuguesa é sim dos idiomas oficiais de Macau, junto ao Cantonês. O problema é que a galera lá, pela proximidade com a China, prefere o Cantonês e até o inglês.

Apenas 2% da população fala português, então é bem difícil encontrar alguém que vai entender o seu “e aí, mano” nas ruas. Mas não fique triste. Mesmo não sabendo falar, o pessoal preserva as raízes e faz questão de colocar a tradução para o português em praticamente toda a cidade, mesmo não sabendo traduzir muito bem.

É brincadeira, eu sei que peões é a mesma coisa que pedestres em Portugal (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Se é difícil achar alguém pra te ajudar perguntando nas ruas, pelo menos as placas da cidade são todas traduzidas para o português. Com isso, fica muito difícil se perder.

Money

A moeda usada em Macau é a Pataca. Se você vai fazer o bate-volta de um dia de Hong Kong, não precisa se preocupar. Todos em Macau, inclusive no transporte público, aceitam o Hong Kong Dollar como pagamento. As duas moedas têm praticamente a mesma cotação.

O único problema é que o troco sempre vai ser dado em Pataca, que não é aceita em Hong Kong. Portanto, a dica é ir para Macau com notas de vários valores para pegar o mínimo possível de troco. Se não der, o jeito é depois procurar uma casa de câmbio em Hong Kong para fazer a troca.

Os casinos luxuosos estão por toda a cidade (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Transporte

E como vou andar por Macau? Bom, a má notícia é que ao contrário de Hong Kong, Macau não tem metrô. Portanto, além do táxi e Uber, o jeito é andar de Mercedes, ou seja, o velho busão.

As linhas são rápidas, práticas e cobrem toda a ilha. Só fica aquela mesma dica de Honk Kong, é preciso ter o dinheiro exato da passagem. Se tiver mais, vai ficar sem troco. Se tiver muito mais, o motorista não vai te aceitar no ônibus ou vai fazer algum morador local pagar a passagem para você (acredite, fizeram isso comigo).

Mas como vou descobrir as linhas? Aí eu volto com a dica daquele aplicativo esperto chamado Google Maps. Ele funciona perfeitamente em Macau e explica certinhos os horários e onde pegar os ônibus.

Os casinos também oferecem ônibus gratuitos de ida e volta ao terminal de barcos. No próximo post te ensino certinho como pegá-los. Se você for usar o Google Maps ou Uber, fique esperto com uma coisa: caso você tenha comprado um chip com 3G em Hong Kong, ele não vai funcionar em Macau! Não esqueça que você vai estar em outro país. A dica é pesquisar e salvar certinho o que fazer em Hong Kong ou comprar um chip em Macau mesmo.

Os prédios com formatos modernos (esquisitos) são facilmente encontrados por lá (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Ficou com vontade de conhecer Macau? O melhor esquema é fazer um bate-volta de um dia de Hong Kong. Dá tempo de conhecer tudo.

Claro que “tudo” depende do seu gosto. Se você curte Casinos, pode passar uma noite em um deles e tentar voltar milionário da Ásia. Como a maior probabilidade é voltar mais pobre, sugiro muita calma na hora de jogar. No próximo post te ensino como usar as balsas para ir e voltar de Hong Kong.


Booking.com
Booking.com