Cidade mais antiga das Américas, Cusco é uma volta ao tempo dos Incas


Cusco é uma das maiores cidades do Peru, tem 300 mil habitantes e é um importante centro comercial. Apesar de tudo isso, a cidade é famosa por outro motivo: o turismo.

Cusco fica no coração de onde era a base do império Inca. Isso significa que a região é repleta de ruínas históricas, entre elas Machu Picchu. Se não bastasse, a cidade também tem paisagens de tirar o fôlego, já que foi construída em meio as montanhas dos Andes peruanos. Ficou com vontade de conhecer? Vai por mim, vale muito a pena!

O Andando pelo Mundo traz pra você agora posts completos pra planejar a sua viagem pro Peru!

As ruínas de Machu Picchu são a maior atração da região de Cusco (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

O nome Cusco significa “Umbigo do Mundo”. Antes de achar que os peruanos são convencidos, saiba que registros históricos mostram que Cusco já era habitada há pelo menos 3 mil anos, o que significa que ela é a cidade mais antiga de toda a América.

Lá foi, por muito tempo, a capital do Império Inca, um dos maiores do nosso continente e que foi destruído com a chegada dos Espanhóis por volta de 1500.

Cusco é repleta de ruínas incas no entorno da cidade (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Um dos motivos para os Incas terem instalado toda a base do império por aqui é a terra. A região é conhecida como Vale Sagrado e o nome não tem nada a ver com divindades.

Os Incas diziam que aqui era o Vale Sagrado por causa da fertilidade do solo, que aceitava bem todos os tipos de plantação. Até hoje a agricultura é a base de sustento de muitas famílias que moram na região de Cusco. Esse é um dos motivos da culinária peruana estar em alta no mundo.

O Peru tem mais de 35 tipos diferentes de milho (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Muita gente evita viajar para países de terceiro mundo por medo da falta de estrutura e da violência. Saiba que o Peru, principalmente em Cusco, vai contra tudo isso. Como a região vive praticamente do turismo, o governo investiu forte nessa área.

A região oferece aos visitantes uma estrutura de primeira, digna de países europeus. Além disso, a violência é quase zero. É claro que é preciso tomar cuidado, como em todos os outros lugares do mundo, mas por aqui é muito raro ver algum assalto ou qualquer coisa do tipo.

A Praça das Armas é o ponto de encontro dos turistas em Cusco (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Ficou com vontade de conhecer? Vamos lá. Uma viagem pra região de Cusco requer um bom planejamento. Não pela estrutura, mas sim pelo tamanho. Existe muita, mas muita coisa mesmo pra se visitar por aqui. Você pode passar um mês viajando pelo Peru sem conhecer tudo.

Meu Deus!!! Só tenho pouco tempo de férias!!! Como vou para o Peru??? Calma. Apesar da quantidade de pontos turísticos, existem roteiros que combinam com o tamanho das suas férias. Pra conhecer bem a região, passando pelo Vale Sagrado, Machu Picchu e, de quebra, um tempo em Lima, reserve, pelo menos, 10 dias. Nesse período vai dar pra conhecer muita coisa.

Quando ir

As nuvens fazem parte da paisagem de Machu Picchu (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

O primeiro ponto e mais importante no planejamento da viagem para o Peru é a data. Mesmo sendo aqui do lado, por causa dos Andes, o Peru tem um clima diferente do Brasil.

O país tem basicamente duas estações: um verão bem chuvoso e um inverno bem seco. Se você não quer tomar chuva na cabeça em Machu Picchu, já sabe qual é a melhor pra visitar, né? Saiba que quando digo que o verão é chuvoso, é com muita chuva mesmo. As inundações são comuns e um problema grave no Peru. O verão vai de outubro a abril. O inverno, portanto, de maio a setembro.

Pra aproveitar mais, essa é a época ideal pra se visitar o Peru, mas tenho uma dica especial. Tente programar a viagem para maio ou setembro. Mesmo sendo inverno, esses meses são considerados baixa temporada e, portanto, têm preços mais acessíveis e lugares não tão cheios.

Nos outros meses, principalmente julho, você vai encontrar os preços lá em cima e os pontos turísticos lotados.

Outro detalhe é que aqui o inverno é de verdade. Cusco é uma cidade muito fria, com as temperaturas chegando próximo de zero durante o dia. Pode levar o seu casaco mais forte.

Média de chuva ao longo dos meses em Cusco (Fonte: World Weather Online)
Média de temperatura ao longo dos meses em Cusco (Fonte: World Weather Online)

Money

As feiras de artesanato e comidas são comuns por toda a região (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Falando em preços, é hora da parte chata do planejamento. Quanto vou gastar? Bom, como em todo tópico que faço sobre isso, a resposta é sempre a mesma: depende. Cada pessoa tem um estilo de viagem e isso influencia no seu bolso.

Não vou escrever aqui diretamente pra quem tem muito dinheiro, porque se você se encaixa nesse perfil, essa não vai ser um das preocupações principais na hora de planejar a viagem. Se você mata cachorro a grito e precisa contar as moedas no cofrinho, vamos aos cálculos.

Uma viagem para o Peru não pode ser considerada barata. A região de Cusco virou recentemente um centro turístico que atrai pessoas de todos os cantos. Tem muito turista da América do Norte, Europa e até Ásia andando por lá. Isso refletiu em preços mais caros, mas não se preocupe meu caro leitor mão de vaca. Fazendo as economias certas você certamente vai conseguir ir para o Peru sem gastar toda a poupança.

O site Quanto Custa Viajar coloca em Cusco um gasto de R$ 142 por dia na cidade e acho que essa é a média. O mais caro vai ser a passagem, que sai, em média, R$ 2 mil, e o trem pra Águas Calientes, que é bem carinho, uns $150 por pessoa (dólares mesmo). Não esqueça de colocar na conta os gastos com entradas em pontos turísticos e com agências de viagem pra passeios (você não consegue fazer a maioria das coisas legais se não contratar uma).

Na alimentação, existem vários restaurantes bons e baratos em Cusco. Deixe para gastar em um caro em Lima, onde os restaurantes são melhores e mais famosos. Em Cusco eu comi um frango assado no tambor (prato típico) por 16 Soles por pessoa.

Soles? O que é isso? Sim, amigo, por mais que você se espante, a moeda no Peru é o Soles, e não Pesos como muita gente acha. Odeia fazer cotação quando está viajando? Pode ficar feliz. O Soles tem um valor quase igual ao do Real. Isso facilita a vida de quem é de humanas e não se vira bem com contas.

Para não ficar sem dim-dim durante a viagem, se liga nessas dicas do tio:

1 – Não compre Soles no Brasil. Nunca. A cotação é horrível. O melhor é comprar dólares no Brasil (eu sei, dói) e trocar por Soles quando chegar ao Peru. Muitos hotéis de lá aceitam pagamento em dólar, o que dá uma pequena economia. Chegando em Lima (não existem voos diretos para Cusco), troque um pouco do seu dinheiro no aeroporto, mas só um pouco (a cotação deles é péssima). Se você for ficar em Lima primeiro, troque seu dinheiro nas casas de câmbio da Praça da Catedral, eles têm as melhores cotações do Peru. Se for primeiro pra Cusco, procure uma casa de câmbio certificada. Muita gente troca dinheiro na rua mesmo, com uns caras que ficam oferecendo. Eu não confio, dinheiro falso é um problema por lá.

2 – Na hora de comer, procure bem. Existem muitos restaurantes “pega-turistas” na Praça das Armas. Te oferecem Ceviche e na hora da conta parece que você comeu escargot e vieiras. Pesquise bem na internet e pergunte pra galera que mora lá. Eles sempre têm boas dicas.

Como Chegar

Imagem tirada do avião prestes a pousar em Cusco (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Como disse ali em cima, não existem voos diretos do Brasil para Cusco. Os voos sempre fazem uma conexão em Lima. O aeroporto de Cusco não é o mais moderno do mundo, mas tem uma boa estrutura para receber os turistas.

Apesar de ser bem diferente de Cusco, a capital peruana Lima é muito legal e também merece uma visita. Aqui te dou todos os detalhes de lá. Se você for juntar os dois destinos na mesma viagem, o mais correto é descer primeiro em Lima, curtir uns dias na capital e depois ir para Cusco. Claro que isso não é uma regra, eu mesmo acabei fazendo o contrário na última vez que fui, mas é uma boa recomendação. Ajuda na hora de combater os sintomas do soroche.

Soroche? O que é isso? Bom, vamos ao próximo item desse post.

O Soroche

As montanhas são parte da vista em Cusco (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Como dá pra perceber nessa foto da Praça das Armas em Cusco, a cidade é rodeada de montanhas. Na verdade, o correto é dizer que a cidade fica no meio da montanha. O que isso significa?

Que Cusco está a 3500 metros acima do mar. Alguma áreas na região que você vai visitar chegam aos 4 mil metros. Além do frio, estar tão acima do mar assim vai causar mudanças no seu corpo e essas mudanças vão ter sintomas.

A primeira delas é o cansaço. Logo que chegar a Cusco, subir um lance de escadas vai ser parecido com correr uma maratona. Como a cidade é alta, existe menos oxigênio no ar e demora uns dias até seu corpo se acostumar com a nova situação.

Além disso, é normal ter enjoos e dores de cabeça. Não precisa mudar a viagem pra Disney só por causa disso. Todo turista que chega a Cusco tem esses sintomas e eles passam com o tempo. Os peruanos também descobriram há muito tempo uma folha mágica que ajuda a melhorar os sintomas do soroche: a coca.

A folha de coca é distribuída de graça no aeroporto pra quem chega a Cusco (Foto: Saulo Deggrande/Andando Pelo Mundo)

A coca é uma planta típica peruana e cultivada na região de Cusco. Você vai encontrá-la como planta mesmo, pra mastigar, em formato de chá ou até em balas. O chá é servido por toda a região (normalmente os hotéis oferecem de graça na recepção) e as folhas para mastigar são vendidas em todas as barracas de ambulantes.

Tomar o chá ou mastigar a folha vão, com certeza, te ajudar a aliviar os sintomas do soroche e a ter uma viagem mais tranquila. Mas, meu Deus, a coca não é proibida, não vou ficar doidão consumindo ela??? Calma, vamos por partes. A folha de coca é sim uma das matérias primas da cocaína e totalmente proibida no Brasil, mas a droga usa uma quantidade grande de coca, além de ser misturada com outras substâncias.

Só uma folha de coca não vai te deixar louco, pode ficar sossegado. Só não tente trazer algumas folhas no bolso de volta pra casa, senão você corre o risco de passar umas noites vendo o sol quadrado.

Além da coca, se liga em mais algumas dicas do tio pra tirar de letra o sorocohe:

1 – Quando chegar a Cusco, tente descansar. Quanto mais tranquilo estiver seu corpo, mais rápido ele vai se adaptar. Tire o dia da chegada na cidade pra dormir bastante ou dar um passeio de leve pela Praça das Armas. Eu sei que todo mundo acha perda de tempo dormir muito durante uma viagem, mas é importante estar bem pra encarar a maratona de passeios na altitude.

2 – Não adianta nada descansar e depois encher a cara à noite. Evite bebidas alcoólicas e comidas fortes nos primeiros dias. Vai por mim, o álcool sobe bem mais rápido e mais forte em lugares altos.

3 – Olhe bem onde vai escolher o hotel. Muita gente fala pra se hospedar perto da Praça das Armas, mas vários hotéis nas imediações dali ficam no alto de morros. Não é fácil encarar uma subida na altitude, principalmente depois de um dia de passeios.

Transporte

Carros em frente a igreja histórica de Cusco (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Apesar de Cusco ser uma cidade grande, a área turística é bem concentrada, praticamente toda em volta da Praça das Armas. Nos poucos momentos em que você precisar andar pra algum lugar mais longe, o melhor meio de transporte é o táxi.

Só fica uma dica aqui. Os táxi do Peru não têm taxímetro, portanto é preciso negociar antes de entrar. Mostre o endereço pro motorista, pergunte quanto ele vai cobrar e vá. Eles estão acostumados. Os preços são bem baratos. Uma corrida de 10 minutos sai em média cinco Soles.

O que fazer?

A região do Vale Sagrado é repleta de paisagens de tirar o fôlego (Foto: Saulo Degrande/Andando Pelo Mundo)

Passear por Cusco é uma obrigação pra quem gosta de viajar, especialmente nós brasileiros, que estamos tão perto. As ruínas contam um pouco da história do nosso continente e das nossas raízes. O que não falta por aqui são pontos turísticos pra visitar.

Ao longo dos próximos posts eu vou dar dicar de como conhecer cada um deles. Em Cusco, é obrigatório fazer o City Tour, que não é aquele de um ônibus de dois andares que fica andando pelos pontos turísticos. É um passeio que passa pelos sítios arqueológicos em torno da cidade.

É mais que obrigatório também a visita ao Vale Sagrado, que inclui duas cidades vizinhas Cusco: Pisaq e Olantaytambo. As duas são verdadeiros sítios arqueológicos cercados de paisagens que parecem sair de filmes.

Por último, é preciso pegar um trem para Águas Calientes, povoado isolado no meio das montanhas, que é a base para o passeio mais legal do Peru: Machu Picchu. Antes de começar a falar sobre eles, no próximo tópico te dou uma dica legal de um hotel bom e barato em Cusco.


Booking.com
Booking.com